miércoles, 12 de diciembre de 2007

O ultimo Psalm

Deus
conceda-me um poema
que canta à voz do trino
os pássaros do campo,
todos os mares
e os rios do mundo.

Senhor
conceda-me um poema
como a brisa delicada
de em atraso,
como o sol macio do verão.
Deus
deixa o fluxo de minha pena
todos os cantos de longo há,
você tem as folhas meus bordos.

Conceda-me senhor o poema

2 comentarios:

Mauricio Vallejo Márquez dijo...

poema traducido al portugués por Marlya Vallejo

Anónimo dijo...

wow no la conozco, q hola me llamo kokis y me apestan los pies despues del colegio